menu

As mudanças causadas pela pandemia alteraram a maneira como muitos idosos cuidam do seu dinheiro.

Que a pandemia causada pelo novo coronavírus transformou a maneira de comprar, vender e investir, já ficou bastante visível. E a mudança chegou até para os clientes mais antigos dos bancos tradicionais: o público sênior encontrou nas fintechs uma forma de se manter por dentro da própria gestão financeira e, ao mesmo tempo, se integrar a um ambiente moderno. Isso permite resolver todos os problemas sem precisar ir até uma agência, o que ajuda inclusive na prevenção ao novo coronavírus. 

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), estima-se que até o ano de 2050, o número de pessoas na faixa etária de 60 anos deve duplicar. Atualmente, o público considerado de terceira idade (+60) tem adquirido hábitos que até pouco tempo eram apenas de pessoas mais jovens. Eles estão utilizando de maneira frequente a internet, se mostram mais ativos nas redes sociais e passam longos períodos em seus smartphones. Estão cada dia mais “moderninhos”. 

Algumas fintechs brasileiras possuem iniciativas que visam um acolhimento a esse público através de diversas iniciativas, como sistemas que evitem possíveis fraudes e golpes, possibilidade de uma gestão financeira compartilhada com filhos adultos, gestão financeira e patrimonial e também planos de saúde customizados. Tais aspectos também são pontos influenciadores para que, em meio à pandemia, a busca pelos bancos digitais tenha aumentado. Além do fechamento das agências bancárias, outro ponto que contribuiu para que o público mais velho adotasse o uso dos bancos digitais foi a facilidade para o saque do auxílio emergencial.

De acordo com matéria publicada no site do jornal Valor Econômico, desde que iniciou o isolamento social, a cada mês mais de 30 mil pessoas acima de 60 anos abriram contas no NuBank, por exemplo. Entre os meses de abril e junho, a fintech registrou um aumento de 50% no número de novos clientes nessa faixa etária, comparado ao mesmo período do ano passado. Conforme a matéria, o número de clientes seniores chega a mais de 630 mil somente na startup brasileira. “A pandemia acelerou a democratização dos serviços digitais, mas o mais interessante foi a atração de uma população que antes era resistente aos bancos digitais”, explicou o fundador e CEO do NuBank, David Vélez, ao Valor.

Em maio, o Ibope realizou uma pesquisa com cerca de 200 pessoas com idade acima de 55 anos para entender melhor sobre seus hábitos financeiros. Cerca de 42% desse público passou a usar mais os canais digitais durante o período de isolamento, 45% deixou de ir às agências bancárias e 40% diminuiu o uso do dinheiro em espécie. Entre as pessoas dessa faixa etária, a transição para os meios digitais tem ocorrido de maneira natural a partir do momento em que elas passam a utilizar as redes sociais, as compras via e-commerce e, em seguida, os canais digitais dos bancos tradicionais. Segundo a pesquisa, cerca de 27% dos entrevistados percebe mais vantagens nos bancos digitais do que nos tradicionais. 

A pandemia trouxe visíveis mudanças na maneira da população +60 cuidar das questões financeiras, proporcionando novos métodos para que possam estar sempre cuidando do seu dinheiro. Esse público deve crescer cada vez mais, a sua empresa está pronta para atendê-lo? Se você precisa encontrar a solução certa para atrair e fidelizar clientes, fale com a gente! Nós, da Phi, queremos te ajudar a oferecer serviços de banking customizados, de acordo com as suas necessidades e as dos seus clientes 😉  

Fontes: 

https://ilegra+.com/blog/a-importancia-do-publico-senior-na-retomada-do-mercado/

https://valor.globo.com/financas/noticia/2020/08/31/idosos-aderem-aos-bancos-digitais-em-meio-a-pandemia.ghtml

Phil

Blogger da Phi

Logo Phi

AVENIDA IPIRANGA, N° 6681
PRÉDIO 95A - TECNOPUC
PORTO ALEGRE / RS - CEP 90619-900
(51) 3021-2350 | ola@somosphi.com

4ALL 2018 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Logo Great place to work Logo 4all
Imagem de fundo do rodapé